sexta-feira, 15 de outubro de 2010

REPOST: Quintal de Clorofila - O Mistério dos Quintais (1983 Brasilian Folk Psych)

REPOSTAGEM ATENDENDO A VÁRIOS PEDIDOS!!
RARÍSSIMO E EXCELENTE ALBUM BRASILEIRO E GAÚCHO!! QUINTAL DE CLOROFILA ERA DUO DE FOLK PSICODÉLICO MUITO BOM FORMADO PELOS IRMÃOS DIMITRI E NEGRENDE ARBO!! LEMBRO COM UM SAUDOSISMO GOSTOSO QUANDO EU AINDA ERA ESTUDANTE, NA CIDADE UNIVERSITÁRIA DE SANTA MARIA/RS, E NUMA FESTA EM NOSSO VELHO APARTAMENTO NO FAMOSO PRÉDIO "TAPERINHA", NO CENTRO DA CIDADE, CONHECI ESTA DUAS FIGURAS QUE TOCARAM EXCLUSIVAMENTE PRA NÓS!! ERA EU E UM GRIPO DE PARCEIROS ESTUPEFATOS E PRIVILEGIADOS!! NUNCA MAIS ESQUECI DO SOM DOS CARAS!! COM FLAUTA E VIOLÃO ACÚSTICO EM ABUNDÃNICA, OS CARAS MISTURAVAM PSICODELIA, JAZZ, ROCK, MÚSICA MEDIEVAL E RITMOS AFRICANOS E LATINOS!! EXCELENTE VENENO BRASILEIRO E GAÚCHO!! ALTAMENTE RECOMENDADO O SOM DOS CARAS!! É COISA NOSSA E EXTREMAMENTE BEM FEITA!

ESTA POSTAGEM CONTÉM TODOS AS CAPAS!! FULL COVERS!!

Integrantes:
Negendre Arbo – voz/violão/guitarra/teclado e percussão
Dimitri Arbo – saxofone tenor/flautas/craviola de 12 cordas/ocarina/teclado e percussão
Participação:
Antonio Carlos Arbo – letras

Resenha muito legal e que retrata fielmente o que penso do disco:

01. As Alamedas 5:17
Esse disco pra mim foi um achado que me fala ao coração.Uma música extremamente complexa harmonicamente falando e de um lirismo entusiasta e belo.Os violões numa duplicidade harmônica fazem um grande abre-alas para a belíssima letra. É um tipo de poesia que fala de natureza, e que entende melhor quem é do sul ou viveu por lá (como eu nascido em Santa Catarina). É um tanto difícil explicar esse sentimento.Nessa canção o clima fica exclusivamente por conta dos violões e craviola. Só quase chegando ao final de tudo que o sax de Dimitri se faz presente e um teclado quase apagado.O clima que segue é típico da música boliviana com flautas e percussão.

02. Jornada 3:49
A craviola faz a melodia, o violão acompanha. Mais uma vez a letra é destaque absoluto, e sem contar que Negendre tem uma grande voz, muito bonita mesmo.Eu ouvi alguns trechos de violão bem no estilo de Steve Howe (Genesis). Outra coisa muito bacana e interessante são os timbres de teclado (seria um antigo Cassiotone?), muitas vezes timbres bem arcaicos, mas aí é que mora o encanto. Depois de uma seqüência de flautas, os vocais em duplicidade (são vários esses momentos) montam um momento belíssimo da canção.

03. Drakkars 5:27
Percussiva em suas mais variadas formas, construída basicamente em cima dos elementos percussivos, fazendo a cama certa para a flauta. E o que eu tinha dito sobre o teclado? Ele é arcaico, mas é ai que mora todo o charme. Sensacional. Quando o violão incia a melodia surpresa! É o Greg Lake (Emerson, Lake & Palmer) sim senhor! (risos). E em seguida muitas vozes numa vocalização meio maluca.As flautas que dão continuidade ao tema são seguidas de um violão, tudo numa coisa meio ‘medieval’ de ser.Um som com somente dois elementos que é mais elaborado que muita banda de 5 integrantes que se vê por ai.

04. Liverpool 4:29
Liverpool quase dá continuidade ao tema anterior Drakkars, por aqui os violões são mais diretos, o foco principal está na letra e nos maravilhosos vocais de Negendre.De forma meio abstrata a canção trata dos Beatles, inclusive citando os quatro então rapazes de Liverpool.Muito tocante em sua melodia, é uma coisa de coração, é como se toda a melodia entrasse nos ouvidos e fizesse com que você realmente prestasse atenção e se sentisse dentro da cena toda.O sax é parte integrante dessa utopia musical e passional.

05. Gotas De Seresta 2:57
Gotas de seresta aposta na craviola (ou seria um bandolim?) e nas sensacionais letras de Antonio Carlos.E tem uma inspirada linha solo de violão, numa quase influência portuguesa.

06. Viver 5:24
Pra mim ponto altíssima do disco.O trem da vida zarpa. E a letra já deixa bem clara a que veio, tocar os corações.Como eu disse anteriormente os teclados são arcaicos e isso na minha opinião é ótimo.Prestem muita atenção na letra.Um arredio solo é apresentado depois do grande refrão. É difícil explicar em palavras essa faixa, é puro coração.A letra é daquelas que deveria ser talhada em algum lugar urgentemente!O synth e a guitarra solando são geniais.

07. O Último Cigano 5:22
Lembrando dos ciganos essa faixa chega com violões e climas de tempo.É uma faixa triste que conta a história de um velho cigano que já não tem mais sua turma, e que sempre lembra do tempo que não volta mais.A percussão do refrão é digna de prêmio, simples e dá a nítida impressão de vivência.

08. Jardim Das Delícias 3:57
O que seria esse teclado? É genial.Mas era só o começo, agora quem toma conta de tudo (e muito bem) é o sax de Dimitri, a craviola, os violões e o teclado lá ao fundo.Uns poucos fraseados de guitarra por quem domina tudo são os violões mesmo.

09. Balada Da Ausência 3:59
Essa é outro destaque gigante do disco.Os pássaros durante as frases, o tímido teclado, e o que é mais genial, a letra de uma profunda sabedoria e tristeza.
São vários os detalhes da canção, se ouvirem com fones conseguirão ter a impressão do que eu falo.No final vocais e mais vocais, e mais uma faixa difícil de explicar, apenas sinta-a.

10. O Mistério Dos Quintais 3:19
Essa faixa final, meu deus.Primeiro são os acordes dedilhados, os pássaros e a percussão dando a impressão de floresta.Depois a declamação mais que perfeita (acho que se trata do próprio Antonio Carlos) é uma das coisas mais emocionantes que já ouvi em se tratando de música. Poucas coisas depois de ter escutado esse disco, e essa faixa, me bateram tanto ao coração.Esse disco provoca em mim um saudosismo e uma tristeza alegre (se isso for possível), me dá saudades de coisas que eu não vivi.

Texto: Diego Camargo
http://progshine.com

http://www.megaupload.com/?d=TB9HSHI7
Postar um comentário