sábado, 29 de setembro de 2012

THE SONICS - Introducing The Sonics (1966 US Garage Rock



EDIÇÃO LIMITADA DESSE QUE É O ULTIMO ALBUM PELA GRAVADORA "JERRY DENNON'S JERDEN" E CONSTA TODOS OS COMPACTOS LANÇADOS PELO SELO!! GARAGE ROCK DE ALTA (OU LATA) POTÊNCIA É O QUE A BANDA NOS OFERECE!! SE CONTARMOS O ANO DE GRAVAÇÃO, ELES REALMENTE ESTAVAM ANOS A FRENTE NA ENERGIA, POTENCIA, INSTRUMENTAL E VOCAL!! ALBUM EXTREMAMENTE RARO DESSA EXCELENTE BANDA, UMA DAS MAIORES GARAGEIRAS SEM DUVIDA!! ENERGIA GARAGEIRA PURA!! MÚSICA TOCADA E CANTADA COM O FUNDO DA ALMA!! COLOCANDO LITERALMENTE A VOZ PRA FORA!! OS CARAS USAVAM SAX, HARMÔNICA E ALMA!! UMA BASE DE GUITARRA BRUTAL E A ÁSPERA VOZ DO VOCALISTA PODEM NOS LEVAR A CRER QUE NESSA ÉPOCA ESTAVA NASCENDO UMA PEQUENA SEMENTE DO QUE VIRIA DEPOIS A SER O PUNK A DÉCADA DE 70!! MAS É APENAS UMA SEMENTE, NÃO PENSEM QUE ESTE É UM ALBUM PUNK, MAS SIM UMA PEQUENA SEMENTE DO ESTILO!! ESCUTEM E TIREM SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES!! VENENO ALTAMENTE RECOMENDADO E DISCOTECA BÁSICA PRA AMANTES E PESQUISADORES DO ROCK N'ROLL SESSENTISTA!!

This is a limited-edition, 180-gram premium vinyl audiophile pressing of the group's final album for Jerry Dennon's Jerden label. In addition to the band's two original hits (recorded and originally issued on the Etiquette label), there are 13 sides that were cut at the band's last session in 1966. All of the material on here is the same as on Jerden's compact disc version of the same material (issued as Maintaining My Cool), save for the exclusion of a lame version of "Hanky Panky," mercifully replaced here with Gerry Roslie's original "Love Lights." This makes a more than interesting comparison for audiophiles when compared to Jerden's CD version of this, minus the track swap. This also features the original album cover art of the band captured in a blue duo-tone in their matching gaucho outfits. Hardcore fans of the band and completists will want both versions of this. ~ Cub Koda
----------------------------------------------

Um dos grandes diferenciais da banda era o vocalista Gerry Roslie. Sua postura de palco intimidante e seu vocal gritado e berrado - bastante influenciado pela soul music de Little Richard -, assustava inclusive o público mais jovem". "O LP "Here Are the Sonics", de 65, segundo a lenda, foi toscamente gravado com somente um microfone atrás da bateria inteira, sendo que para alcançar a distorção que queria, a banda só se dava por satisfeita quando os amplificadores estavam sobrecarregados. "The Sonics foi umas dessas poucas e célebres bandas que nasceram prematuramente - sua inovação só iria surtir efeito em uma ou duas gerações posteriores. Eram largamente influenciados pelo estilo característico do The Kinks, da Inglaterra, além do rock clássico norte-americano dos anos 50 e o blues renegado e marginal da mesma época. O grupo surgiu em Washington, em 1963, da cena que tinha The Kingsmen (criadores de um dos maiores hits rockers de todos os tempos, "Louie Louie"), Paul Revere and the Raiders e The Wailers (banda que descobriu o The Sonics). Porém, entre todas, o Sonics foi o grupo que mais incorporou ao seu som o espírito experimentalista, agressivo e selvagem, que os tornaria ao mesmo tempo revolucionários e destinados ao fracasso comercial.

The Sonics em Tacoma, 1964. Um dos grandes diferenciais da banda era o vocalista Gerry Roslie. Sua postura de palco intimidante e seu vocal gritado e berrado - bastante influenciado pela soul music de Little Richard -, assustava inclusive o público mais jovem e arruaceiro dos teddy boys. Esquerda p/ direita: Bob Bennett (bateria), Larry Parypa (baixo), Andy Parypa (guitarra), Rob Lind (orgão e saxofone) e Gerry Roslie (vocal). No final de 1964, eles entram em estúdio para gravar o primeiro single, "The Witch" / "Keep A Knockin'" (cover de Little Richards), pelo selo Etiquette records, dos Wailers. A intenção era deixar tudo o mais barulhento possível, até porque o nome da banda teria vindo de uma fábrica de turbinas para Boeings de Seattle! Os recursos para se turbinar o som eram escassos na época, o que não impedia que os Sonics inventassem parafernálias eletrônicas para potencializar e distorcer seus instrumentos. Os irmãos Larry e Andy Parypa eram "especialistas" em eletrônica, que mexiam (e destruiam!) nos amplificadores e microfones. Larry, o mais insano, chegava a congelar fios e auto-falantes, aumentar as resistências dos circuitos até queimar, para dar à banda a sonoridade necessária que chegasse aonde eles queriam. A música "The Witch" chegou a atingir o primeiro lugar nas paradas de rádio local, embora só fosse permitido pela lei ser tocada após as 10 horas da noite - temiam que muitas crianças ouvissem a música. E não era para menos: a música começa com a tradicional e característica rufada seca na caixa da bateria, seguida de riffs pesados, teclados sinistros e o vocal agressivo de Gerry Roslie. Depois, entra o que pode ser caracterizado como o primeiro hardcore da história! No entanto, o disquinho vendeu não mais que 25 cópias em Seattle...


No início de 1965 eles entram em estúdio para gravar o primeiro disco pela mesma Etiquette Records, que, apesar de ser um selo pequeno e de pouca estrutura (para a gravação do disco só foi usado dois microfones!), dava à banda toda a liberdade sonora necessária. Depois de várias caixas estouradas, eles conseguiram terminar as 12 canções do primeiro disco, "Here Are The Sonics": entre covers de Little Richard ("Do You Love Me?") e Chuck Berry ("Roll Over Beethoven"), haviam as canções próprias da banda, que deram toda a notoriedade ao grupo, como "(She's) The Witch" - na mesma versão do single -, "Boss Hoss", "Psycho" e "Strychnine" ("Alguns gostam de água / Outros gostam de vinho / Já eu prefiro o gosto / Puro de estricnina! ... Vinho é vermelho / Veneno é azul / Estricnina é bom / Para quem enche o teu saco!") Em fevereiro de 1966, eles começariam a gravar o segundo disco, "Boom!" Numa tentativa de dar mais aspecto de sonoridade ao vivo ao disco, eles arrancariam todas as caixas de ovos coladas à parede do estúdio usadas como isolamento de som!

The Sonics alcançaria certa notoriedade após abrirem shows dos Beach Boys, Herman's Hermit, Mammas & The Pappas, Byrds e Kinks. No final do mesmo ano, seriam contratados pela Jerden Records, uma gravadora relativamente grande, e iriam para Hollywood gravar o terceiro disco. Teriam agora um produtor, Larry Levine, que trataria de dar uma polida no som. O mediano "Introducing To The Sonics" seria definido pelos próprios membros da banda como "lixo total"! A banda terminaria suas atividades em 1967, sem alcançar nenhum sucesso além do regional. Em 1972, porém, sairia a clássica coletânea em duplo Lp chamada "Nuggets: Original Artyfacts From The First Psychedelic Era (1965-1968)". The Sonics, definida no encarte original como "a banda mais selvagem de uma geração", e nas prensagens posteriores em Cd, seria elevada ao "elo definitivo entre o garage rock do início dos anos 60 com o punk dos anos 70". Eles participariam com duas canções do primeiro disco, "Strychnine" e "Psycho", e seu som extravagante e sua história obscura seriam finalmente divulgados para todo o mundo... The Sonics foi uma das bandas mais importantes para a história e consagração do rock marginal, e seu debut, "Here Are The Sonics", foi essencial e inspirador para que pudessem surgir a safra das bandas violentas e agressivas de Detroit do final dos anos 60 (MC5 e The Stooges), e todo o posterior rock genuinamente de garagem, o punk, e até o grunge, da mesma fria e nebulosa Seattle...


01. The Witch 2:42
02. You Got Your Head on Backwards 2:24
03. I'm a Man 3:01
04. On the Road Again 1:47
05. Psycho 2:13
06. Love Lights 2:46
07. I'm Going Home 2:27
http://youtu.be/-VaRg2gZg90
08. High Time 2:07
09. I'm a Rolling Stone 2:24
10. Like No Other Man 2:02
11. Maintaining My Cool 1:54
12. Bama Lama Bama Loo 2:42
13. Leave My Kitten Alone 2:44
14. Dirty Old Man 2:17
15. Diddy Wah Diddy 2:26



Postar um comentário