segunda-feira, 9 de abril de 2012

Pretty Things - Phillipe Debarge (Rare Unreleeased Album 1969)



O DISCO S.F SORROW ESTÁ SENDO PREPARADO!! PARACHUTE AINDA ESTÁ POR VIR E A BANDA ESTÁ NO SEU AUGE CRIATIVO!! EIS QUE EXTAMENTE AÍ OS CARAS ENTRAM NUM ESTÚDIO EMPURRADO POR UM PLAYBOY FRANCÊS E GRAVAM ESSA PÉROLA!! ESSA É UMA DAS MAIORES LENDAS DO ROCK!! UMA DAS MAIORES PÉROLAS QUE NOS FOI ESCONDIDA!! ESSA POSTAGEM É UMA HOMENAGEM DO VENENOS DO ROCK A PHILLIPE DERBAGE, UM PLAYBOY MALUCO,DETERMINADO E QUE USOU SEU DINHEIRO EM PROL DO ROCK!! GRAÇAS AOS CAPRICHOS DELE É QUE HOJE PODEMOS DEGUSTAR ESSE EXCELENTE VENENO DA BANDA PRETTY THINGS COM CANÇÕES NUNCA ANTES GRAVADAS, E MAIS, QUE NEM SEQUER SABÍAMOS EXISTIR!! CONFIRA A HISTÓRIA ABAIXO!!

A história de Philippe Debarge e The Pretty Things, embora não seja amplamente conhecida, é uma das lendas mais interessantes nos anais do rock and roll. Philippe Debarge era um rico e excêntrico playboy francês que tinha dinheiro para comprar tudo, mas acima de tudo, ansiava em se tornar uma estrela do rock. Ele morava em um grande castelo em Saint-Tropez, França, com vista para o mar Mediterrâneo com a sua família que fez fortuna na indústria farmacêutica. A época é o início de 1969 e Philippe era um grande fã do The Pretty Things, que tinha acabado de lançar o LP SF ' Sorrow ", que é agora é considerado por muitos como um dos melhores álbuns da psicodelia sessentista do Reino Unido, mas na época, infelizmente, foi uma bomba comercial.

Debarge começou a buscar ativamente o Pretty Things na esperança de se associar com eles em um álbum de sua autoria onde ele iria cantar e levar adiante sua divulgação. Devido ao fracasso comercial de "S.F. Sorrow ", o Pretty Things precisava de dinheiro e com isso aceitou a proposta de Debarge. Não sabendo o que esperar desse projeto, mas em uma crise financeira, os dois principais membros da banda, Phil May e Wally Waller, viajaram para o Sul da França para se reunir com Debarge e ver de perto essa proposta incomum mas tentadora. Lá eles encontraram um Debarge inexperiente musicalmente, mas fervoroso e autêntico companheiro, superfã da banda e determinado a fazer da sua fantasia uma realidade. E o melhor de tudo. Ele tinha os recursos financeiros necessários para que isso realmente acontecesse. May e Waller ficaram com Debarge por cerca de 5 a 6 dias e o tempo necessário e único em suas vidas para comer alimentos exóticos, beber requintados vinhos franceses e dirigindo vários automóveis de luxo raros, incluindo um Rolls Royce 1908. Waller recorda que "a decisão mais difícil que eu tive que fazer enquanto eu estava lá era saber se utilizaria a piscina de água salgada ou a piscina de água doce."

A viagem a Saint-Tropez acabou cimentando uma amizade muito forte entre os Debarge e os dois membros do Pretty Things. Muitos planos foram feitos levar Debarge de volta a Londres, onde iria gravar seu primeiro álbum. A única condição importante para o acordo era que eles só trabalhassem com canções originais escritas pela própria banda. Os estúdios Nova foi escolhido, que, na época, foi um dos primeiros estúdios em Londres que tinha equipamento de gravação completa. Era o mais completo e bem equipado de todos. Debarge cuidava de tudo e não poupou gastos para equipar o projeto, para um tempo de estúdio longo e com o aluguel de instrumentos adicionais além dos da propriedade da banda.

Para um francês, Debarge falava Inglês excelente e, embora ele não tinha experiência prévia como vocalista, ele tinha um talento natural para cantar. A formação do Pretty Things que gravou o álbum era Phil May (vocal), Wally Waller (baixo, guitarra, teclados, percussão, backing vocals), Jon Povey (teclados, bateria, percussão, backing vocals), Victor Unit (guitarra e backing vocals) e Twink (bateria). O disco ficou excelente e inclui musicas em sua maioria nunca antes lançadas, mas com algumas interpretações originais de algumas músicas ( "Alexandre", "Eagle's Son" e "It'll Never Be Me") que também foram incluídas no disco Electric Banana.

O LP foi gravado em acetato, mas infelizmente nunca lançado oficialmente até 2009 quando então May e Waller se reuniram com a UT Records / Ugly Things e remasterizaram as gravações e, finalmente, editaram as faixas do CD como foi originalmente concebido para ser ouvido. Antes desta versão, tudo o que estava disponível dessas canções foi uma gravação de acetato muito pobre que pouco fazia justiça a esse grande trabalho.



SF SORROW is done and dusted. PARACHUTE is yet to come…
THE PRETTY THINGS are at their creative peak… with no outlet in sight.

Enter PHILIPPE DEBARGE: Frenchman, playboy, and Pretty Things superfan.

He commissions the band to write and produce an album for him. Debarge and the five Pretty Things duly enter Nova Studios, one of London’s first eight-track facilities. With access to this new technology they experiment with multi-tracking and an array of psychedelic effects. Debarge sings lead, and the Pretty Things play and sing everything else on a stunning set of 12 May/Waller originals in the classic late ‘60s Pretty Things style, many of them never recorded by the band before or since. Acoustic, fuzz and backwards guitars abound, along with Mellotron, harpsichord and the unmistakable heavenly three-part harmonies of Phil May, Wally Waller and Jon Povey.

The Pretty Things were on a run in 1969. They had released several singles that charted over the past five years in the United Kingdom and Australia, had four albums under their belt, and even had a secret pseudo band called Electric Banana that made stock music for B-rated horror movies. But even with their mild success in their homeland of England and around Europe, the band was somewhat in disarray from not hitting it huge like the bands they recorded beside at Abbey Road Studios like The Beatles and Pink Floyd. The lead guitarist and founder of the band Dick Taylor left the band early in the year to try his hand at producing, and this left Phil May and Wally Waller to apply their song writing skills in full force and then out of nowhere Philippe DeBarge asked they would do the music for his debut solo album.

DeBarge was the son of a very wealthy French family and dreamed of becoming a rock star. His money and charm won The Pretty Things over very quickly and they decided to record a new album. DeBarge’s limitless budget provided the best studio money could buy and his voice was ready as well. Unlike most rich people who insist on putting out their music without the hint that they actually can’t sing, DeBarge could rock with the best of his day. After using a few songs they had worked on during live shows and concerts, The Pretty Things came up with some of the best psychedelic music of their career.

DeBarge took the finished album back to France thinking his family connections would get it published right away. Instead, the album had to wait forty years to come to album form and ten years after the death of DeBarge. It is now finally getting its due among the re-issue catalog of UT Records including a new song done by the original members of The Pretty Things in 2008.

The Pretty Things went on to record one of rock music’s classic albums Parachutes in 1970 and now are quietly touring on occasion and still making albums. Philippe DeBarge recorded another album with The Pretty Things in 1974 and finally got his musical debut worldwide, but would never become the star he wanted to become. After forty years, the music is still as good as the first day it was recorded and now it can live and breathe as it was intended-as a true rock album.

01. Hello, How Do You Do
02. You Might Even Say
03. Alexander
04. Send You With Loving
05. You're Running You and Me
06. Peace
07. Eagles Son
08. Graves of Grey
09. New Day
10. It'll Never Be Me
11. I'm Checking Out
12. All Gone Now
13. Monsieur Rock (Ballad of Philippe)

http://www.mediafire.com/?fzo93rlhrzlt2f2
Postar um comentário